Fórum geral
#79324
Olá pessoal.
Há uns meses quando comecei a pensar em comprar o meu primeiro carro vim aqui pedir opiniões para ficar com uma ideia de que carro poderia ser bom para mim.
Agora chegou a hora de me meter a procurar o carro e largar as notas.
Se possível gostava que me dessem uma ajuda a avaliar uns carros já que os meus conhecimentos sobre carros é quase zero.

O que eu procurei/procuro - > 4x4, pequeno (menos de 4m se possível), menos de 5000, para andar principalmente em estrada mas que dê para subir uns passeios e meter-me por uns caminhos mais foleiros, nada de rally.

Do que vi esta semana aqui em Tenerife ficaram estes debaixo de olho:

Suz JImny 2003, 3000€
Imagem

Toyota Rav 4 de 2002, 4500€
Imagem

Mitsubishi Montero IO de 2001, 2700€
Imagem


Há grandes diferenças entre estes carros?
Acham que os preços estão ajustados?
Acho o toyota mais bonito do que os outros e parece mais "carrão", já o jimny parece o carrinho de brincar, mas isto são os meus olhos de nabo, da mecânica não sei nada. É assim?

Outro carro do género de que gosto e o Suz Vitara, mas ainda não encontrei nenhum. Outros que tenho referenciados são: Galloper, Nissan Terrano, Isuzu Trooper, Daihatsu Terios, Daihatsu Feroza.

Que me recomendam?

Obrigado desde já.
#79325
O Toyota, ainda sendo o mais caro, é aquele que tem melhor qualidade de construção e o melhor motor para além de ter a maior volumetria. Por acaso concordo consigo, também é o que mais me agrada ao olhar.
Visto que está em Tenerife o Toyota deverá estar mais à vontade nas íngremes subidas da ilha, principalmente se for muitas vezes ao Teide e não o fará passar vergonha nas autoestradas.
Quanto a consumos, provavelmente essa diferença deve-se sentir na hora de encher o depósito, devendo o Toyota ser mais caro de manter que os outros dois.

Dado o preço pedido pelo Mitsubishi e o número de quilómetros eu descartava-o da equação.

O Suzuki custando 2/3 do que custa o Toyota parece interessante se não precisar do espaço extra, se quiser abdicar de um pouco mais de potência e, por fim, se, para além do investimento inicial, quiser um custo de rodagem inferior.
Sendo tão pequenino será muito fácil conduzi-lo nas estreitas vias que por aí proliferam, para além de que permite tirar a capota e ficar com um descapotável (se bem que tendo em conta o sol que aí existe isso possa se tornar uma desvantagem).

Concluindo, terá que avaliar as suas necessidades e além disso, avaliar in loco as reais condições dos veículos, até porque qualquer um desses já fez a rodagem à muitos milhares de quilómetros.
#79331
Obrigado pelas respostas.
Sim, a ideia é ter um carro que me permita de vez em quando meter-me por algum caminho que seja mais fraco lá no Teide, ou estacionar por lá num sítio mais complicado. Gosto destes carros também porque são carros onde se podem rebaixar os bancos traseiros com facilidade (para levar lá dois cães).
Quanto às vergonhas... eu não sou muito de acelerar, mesmo na auto-estrado é raro passar dos 120-130, a minha média deve ser 110. Só não quero que o carro me salte por todo o lado quando tiver que acelerar até aos 120+ para fazer uma ultrapassagem (como acontece com o Panda que costumo alugar). Nesse aspecto o Toyota talvez leve vantagem em relação aos outros dois.

Parece que vou ter que retirar o Jimny da "lista", a mulher disse-me agora que não gosta de carros quadrados..

O consumo não é uma grande preocupação. Numa semana normal não devo usar o carro para andar mais do que 1 ou 2 horas total, e para além disso o combustível aqui é bastante barato, o litro de gasolina aqui é mais barato do que o litro de gasóleo em Portugal.

Isso da avaliação do carro em pessoa é que me preocupa um pouco já que não sei muito bem a que tenho que prestar atenção.
Imagino que tenho que olhar para o motor e ver se não está ferrugento e tal, se não há partes a trepidar com o carro em andamento e se o barulho do motor é "normal" (apesar de não conhecer o "trabalhar" do carro, nunca andei em nenhum desses). Algumas dicas para isso?

Hoje apareceram estes dois:
Imagem

Imagem

O Terrano já começa a ser um pouco grande para o meu gosto, e o Vitara 98 já começa a ser bastante para o velhinho. Mas talvez não os deva descartar completamente.
#79345
Olá pessoal.
Fui ver hoje o Toyota. Adorei o carro, é bem mais moderno do que estava há espera.

Tudo muito bem até dizer que se fazia negócio. Ele (um particular) disse que se podia fazer assim:
- Na segunda feira davamos-lhe o BI da minha mulher e ela assinava os papeis.
- Ele pegava nos papeis e no BI e tratava de tudo.
- Terça-feira entregava-nos o carro e nós pagávamos (ou seja metia o carro no nome dela antes de ver o dinheiro).

A mulher como estava entusiasmada com o carro disse logo que sim que sim. Eu fiquei logo a pensar que a coisa parecia demasiado fácil/carro demasiado bom e tal. O click maior foi quando ele disse para lhe darmos o BI dela (o BI é suposto estar sempre com o dono acho eu). Como foi tudo tão rápido não tive tempo de reacção e dizer outra maneira de se fazerem as coisas, até porque como nunca comprei nenhum carro não sei muito bem como se processa a transferência em si.

Para somar a isso ele diz que o carro é dos patrões alemães (há muitos estrangeiros cá) e que ele é que está a tratar do negócio...
Também cometemos um erro de iniciante que foi não pedir para ver o certificado de matrícula. Nem sequer a matrícula tirei :? (não aparece nas fotos do carro...)

Depois de pensar pelo caminho não vamos fazer nada do que ele disse, primeiro temos que ver a documentação do carro e o BI dos donos do carro e vamos com ele ao notário (ou lá como se chama onde se faz isso).

Também me parece muito estranho que ele possa/pudesse fazer o venda do carro junto das autoridades sem o comprador estar presente. Isso é possível sequer?

Assim de repente dá-me a sensação de que o carro possa ser roubado e que ele esteja a tentar simular a venda, dava-nos uns papeis falsos, ficava com a massa e nós com a batata quente...

Que acham disto tudo?

Menos mal que a mulher não tinha o BI com ela...
#79346
Entretanto já nos enviou fotografias dos documentos e disse que concordava em fazer as coisas através de uma assessoria, por isso imagino que deve estar tudo bem.
Só há uma ou outra coisa que ainda não encaixa bem na história. Ele diz que os chefes são alemães, mas os papeis do carro aparecem em nome de: Yunior Iglesias Velasquez, que é um nome tudo menos alemão, ainda lhe vou perguntar isso. Diz que o carro teve sempre os mesmos donos, mas vimos no CARFAX que o carro passou de mãos em 2005 (já foi há muito tempo por isso pode não ter conhecimento sequer..).
Vamos lá ver se corre tudo bem. E o carro é de 2001 não é de 2002 como ele dizia.

Enfim, vamos ver se corre tudo bem.