Desde a F1 aos Rallys, passando pela competição Nacional, aqui discute-se as emoções do desporto automóvel
#47318
Ainda não vi a fonte, mas está hoje no site do Sapo que os pilotos da Fórmula 1 votaram o Senna como o melhor piloto de sempre da história do desporto. Em 20 votos, 12 votaram no Senna, com abstenções da Williams e da Renault.

A F1, para mim, nunca mais foi a mesma depois de 1994...

Algumas citações:
“Ayrton set standards the rest of us can only dream about. His death doesn’t seem real. He was invincible and was going to keep on winning.”-Derek Warwick

“I was proud to compete against him. Professionally, he was the only driver I respected. In Senna’s honour, I will never sit in a Formula One car again.”-Alain Prost

“Ayrton was the best friend I ever had in F1, closer to me than anybody else in the business. During my three years driving with him at McLaren, I came to realize that he was the best, one level higher than the rest of us.”-Gerhard Berger

“This has been one of my hardest achievements in motorsport. The soul searching was very difficult, especially when my five-year-old daughter came and asked whether it was true that Senna was dead. It was tough, but we all had to face the same thing. Did we want to do this anymore? Is it crazy? It was a very emotional and difficult time.”-Martin Brundle

“He was the best driver who ever lived.”-Niki Lauda

“Ayrton Senna was an extraordinary racing driver. His skills, craft, subtlety and courage were of such magnitude that he dwarfed his generation of drivers.”-Ron Dennis

“His loss is impossible to quantify. Everyone who has ever met him, in whatever capacity, feels they have lost something very special.”-Frank Williams

The life of Ayrton Senna was an example in dedication and the love of the sports few athletes have had at international level. The world has lost the greatest athlete in the history of motor racing and I have lost a great friend. Grand Prix racing will never be the same without Ayrton.”-Emerson Fittipaldi

“When I first came round in the medical center after my accident, the first face I saw was Ayrton’s, with tears in his eyes. I had never seen that with Ayrton before. I just had the impression that he felt as if my accident was like one of his own. He helped me a lot with my career and I can’t find the words to describe his loss.”-Rubens Barrichello

“I always had a good relationship with him in our breif encounters. Senna was very good to us. He was very supportive of Michael. In fact, his was one of the first congratulatory messages Michael got after winning in Australia. I don’t know what else to say. It comes as a tremendous shock to all of us. It’s a devastating loss.”-Mario Andretti

“What has happened is so dramatic and so bad that I feel no satisfaction in winning.”-Michael Schumacher

“It’s a real waste. He still had a lot of racing and wins left in him. He was a good person. I can tell you that firsthand. Last year (1993), when I had my problems, he was one of the main people there supporting me. He was probabily the greatest driver of all time. This was not a driver error. There was no weakness in his driving.”-Michael Andretti

“As I already said on TV, I want to dedicate this success to Ayrton. This is the place, I believe, where my life changed. After everything I have been through, from the problems on the car to the problems with myself, I think that Imola this year has seen another changing point…”-Rubens Barrichello in post-race press conference at Imola GP 1999 . He finished 3rd.

After Senna's death it was discovered that he had donated millions of dollars of his personal fortune (estimated at $400 million at the time of his death) to children's charities, a fact that during his life he had kept secret. His foundation in Brazil, Instituto Ayrton Senna, has invested nearly US$ 80 million over the last twelve years in social programs and actions in partnership with schools, government, NGOs, and the private sector aimed at offering children and teenagers from low-income backgrounds the skills and opportunities they need to develop to their full potential as persons, citizens and future professionals.

In the documentary film "The Right to Win" made in 2004 as a tribute to Senna, Frank Williams notably recalls that as good a driver as Senna was, ultimately "he was an even greater man outside of the car than he was in it."

The greatest testament to his character was most evident at the moment of his death. As track officials examined the wreckage of his racing car they found a furled, bloodsoaked Austrian flag. A victory flag that he was going to raise in honour of Austrian Roland Ratzenberger, who had died on that track the day before.
#47335
Acho que isto merece destaque...

NunoRomao Escreveu:The greatest testament to his character was most evident at the moment of his death. As track officials examined the wreckage of his racing car they found a furled, bloodsoaked Austrian flag. A victory flag that he was going to raise in honour of Austrian Roland Ratzenberger, who had died on that track the day before.



Não sabia... Fantástico!

O Senna tinha um feitio difícil. Era hiper competitivo, até tinha mau perder... mas acho que foi a personagem mais marcante de sempre da F1. Se foi o maior talento? Talvez sim. Isso é difícil (impossível?) de comparar. Mas que nenhum outro piloto marcou a F1 como o Senna... acho que é inegável. Reunia a garra e a paixão do Gilles Villeneuve, a atenção aos detalhes e a capacidade técnica do Schumacher, o talento à chuva do Jacky Ickx, a pilotagem precisa do Niki Lauda, um pouco do mau feitio do Nelson Piquet e a mística do... James Dean...(live fast... die young...) quem diria? Tanto de tantos num só homem?
#56845
as_shariff Escreveu:


Penso que em Portugal tem estreia marcada para Junho!

"Un brasileño; un héroe; un campeón". O si lo prefieren: "Sin miedo, sin límites, sin rival". Son los argumentos que Universal Pictures ha elegido para presentar, en Brasil o en España, 'Senna', la película-documental que recoge la trayectoria deportiva del tricampeón del mundo brasileño

AS ha podido asistir en primicia a un preestreno en Madrid, comprobando el magnífico trabajo de documentación y fotografía realizado por los autores, encabezados por su director, Asif Kapadia. Este realizador y guionista británico de ascendencia china ha sido el encargado de plasmar en imágenes la fascinante historia del que para muchos es el piloto más grande de la historia, más allá de su palmarés o sus estadísticas demoledoras.

En efecto, en Senna quedan en un plano secundario los tres títulos mundiales de Ayrton, sus 41 victorias en grandes premios o sus 65 poles; la película es un tobogán de sensaciones, de emociones y de vivencias. Un retrato excepcional y detallado de una Fórmula 1 bien diferente a la que ahora conocemos, inédita para toda una nueva generación de aficionados a este deporte.

Aunque el documental hace una breve referencia a los inicios del piloto en el kárting, su armazón argumental se sustenta en la trayectoria del brasileño en los grandes premios. Un periodo que abarca desde su debut con Toleman en la temporada de 1984 hasta su fallecimiento diez años después, cuando perdió la vida el 1 de mayo en el circuito de Ímola (Italia) al volante de un controvertido Williams con el que ansiaba alcanzar su cuarta corona mundial.

Se recorre, temporada a temporada, su trayectoria deportiva con la propia Toleman, a continuación en Lotus, su triunfal (aunque también polémica) etapa en McLaren para concluir con esa última, breve y fatal campaña junto a Sir Frank Williams. Pero Senna es mucho más que una historia de carreras, también recoge a la perfección el lado más humano y familiar del protagonista. La importancia de su familia en su vida, sus arraigadas creencias religiosas, su relación con las mujeres, su carácter rebelde e indómito...

Todo ello, a través de imágenes con un excepcional valor documental (más que calidad fotográfica por su antigüedad), muchas de ellas inéditas y procedentes del archivo de la propia familia Senna, de su fundación e incluso cedidas por el omnipresente Bernie Ecclestone como propietario de los derechos del Campeonato del Mundo de la especialidad.

La película, desde luego, no deja indiferente. No faltan las figuras del héroe y el villano, los apasionados seguidores de Senna se sentirán identificados con su causa, mientras que otros no compartirán ciertas percepciones de los hechos, que es cierto se encuentran un tanto condicionados por la procedencia del proyecto (especialmente en todo lo relativo al conflicto con Alain Prost en McLaren).

Ron Dennis, otro de los protagonistas destacados ya como responsable del equipo de Woking, asegura que viéndola no pudo evitar que las lágrimas aflorasen en sus ojos. Seguro que no será el único..."

in http://www.as.com/motor/articulo/senna-tributo-fiel-toda-leyenda/20110407dasdaimot_2/Tes
#56978
Não querendo ser do contra, acho que a morte dele ajudou e muito a este mito de o Senna ser o melhor.
Acho que poucos ainda se lembram de ele ser um "cabrão", odiado por quase todos e que apesar de ter algumas atitudes de humano tinha um mau perder terrivel e até uma consideravel falta de desportivismo. Penso que as atitudes humanas dele eram para os que precisavam de "ajuda", porque se fosse para ajudar um adeversário superior, acredito que o caso fosse diferente...

Se era um bom piloto? Acredito que sim, era um piloto que se esforçava ao pormenor para ganhar mas que quando não o conseguia partia para outros métodos menos bonitos, e eu acho que isto também faz um piloto.

Creio que se o Shumy tivesse tido a infelicidade de ter uma morte trágica na última época em que foi campeão, a mística dele passaria a ser idêntica à criada no Senna.

Vendo por mim, que detestava várias atitudes do Senna e que depois da morte dele, passei a vê-lo de maneira um pouco diferente, acho que no global terá sido isso que aconteceu, ou seja, a morte limpou as coisas más e virou herói...
#56998
Hércules Escreveu:Acho que poucos ainda se lembram de ele ser um "cabrão", odiado por quase todos e que apesar de ter algumas atitudes de humano tinha um mau perder terrivel e até uma consideravel falta de desportivismo.

Os que pensam isso são os que, à data, eram mais adeptos do Prost, do Mansell e até do Miguel.
O mau perder tinha, de facto, como todos os grandes campeões. Falta de desportivismo não me parece, de todo. Exemplos? :twisted:
Quanto ao facto de a morte ter ajudado ao mito, não esquecer que o mito já existia... pode ter sido ampliado, mas a verdade é que o Senna sempre um carácter que suscitava ódios e paixões, levados a extremos opostos e tinha um carisma muito grande que faltava ao Prost e falta, ainda, ao Schumacher.

É assim tipo Pep Guardiola e José Mourinho. Ambos grandes treinadores mas o Mourinho tem ali um clic que faz com que não fique indiferente a ninguém. para o bom a para o mal.
#57008
NunoRomao Escreveu: (...)O mau perder tinha, de facto, como todos os grandes campeões. Falta de desportivismo não me parece, de todo. Exemplos?(...)

Eu pensava que era um dado adquirido mas pelos vistos quanto mais tempo passa da morte dele mais se tenar tapar o sol com a peneira, talvez assim os filmes, livros, fotos, documentários e afins tenham mais saída...

Fica "só" este exemplo do GP do Japão em 1990... :roll:
A citação dele no fim do video é um "must" e demonstra bem o desportivismo dele... :roll:



Já agora deixo aqui as palavras de um Jornalista brasileiro, Chico Silva sobre esse acontecimento:

"Neste mesmo Japão, só que no autódromo de Suzuka, Ayrton Senna conquistou seu segundo mundial em 1990 ao jogar para fora da pista seu inimigo, Alan Prost. Na curva que precede o final da reta dos boxes, Senna forçou propositadamente a barra para provocar o acidente que lhe garantiu a conquista. Se alguém duvida, é só ir no Youtube e ver para crer. Como aqui no Brasil Senna é imaculado, quase ninguém se atreve a falar das pouco limpas manobras do tricampeão mundial."
#57009
Esse episódio de 1990 nunca deve, em minha opinião, ser desenquadrado do que ali aconteceu no ano anterior.
O Senna foi culpado e enxovalhado publicamente pelo Alain Prost e o amigo francês, presidente da FIA na altura, Jean Marie Ballestre, que desclassificou o Senna por causa de uma ultrapassagem ao Prost em que houve um toque entre os dois.
Claramente a responsabilidade não era do Senna. Foi diminuído publicamente, foi insultado, retiraram-lhe uma vitória de antologia e o campeonato.

No ano seguinte aconteceu o que o teu vídeo demonstra. Não concordo mas compreendo e, se calhar, no lugar teria feito o mesmo... acho até que ele se aguentou muito bem o resto do ano todo com Suzuka 1989 atravessado na garganta...

Corrida que demonstra bem a fibra de Campeão do Ayrton Senna:


Estou a tentar encontrar o que disse o Balestre mas não encontro e estou com pouco tempo... lol
#57033
Compreendo a tua explicação do enquadramento mas, na minha opinião, um piloto com estofo de campeão, humano, desportista como tentam fazer passar, não precisa destas coisas, destas vinganças para ser o melhor...

Romão, não quero, longe disso, tirar-lhe qualquer mérito, só acho que ele não era aquilo que querem fazer crer que era. Era bom piloto? Sem dúvida, mas escrúpulos não tinha muitos.

Nisto comparo-o ao Schummacher, só porque trouxe de novo a Ferrari para o topo, toda a gente esquece um pouco as atitudes... (nem sei como as classificar) deste senhor. Este tem a "desculpa" de ser alemão, e para mim, alemães... (no comments)